UMAS & OUTRAS / João Pessoa - PB
Escrito e enviado por Clotilde Tavares
22 de julho
de 2007 - Domingo


Clique AQUI se não estiver vendo as imagens.


CARO LEITOR,

Para fazer de conta que o Umas & Outras é um periódico, esta edição, que sai hoje, dia 30 de julho, segunda-feira, vem com a data de 22/07/2007; e a edição que deveria ter saído ontem, e não saiu,  deve sair no meio da semana, quarta ou quinta, com a data de ontem, dia 29.

Se você não entendeu, não se avexe: leia e desfrute das idéias, fotos, informações e bobagens constantes deste meu/seu/nosso anárquico e saltitante informativo, que hoje está com um toque barroco/eclético pelas igrejinhas que o ilustram. Todas as fotos são minhas.


GOIÁS VELHO-GO


CIDADE DO BARULHO

O barulho que impera nas noites da cidade tem sido um dos temas mais freqüentes na coluna de Rubens Nóbrega, no Correio da Paraíba, de onde tirei emprestado o título para este tópico. Ele fala de um casal que veio morar na Paraíba em busca de tranqüilidade e que, depois de quatro anos morando no Bessa, não agüentou e está de malas arrumadas para deixar o estado.

Na minha vizinhança tem um camarada que quando resolve fazer uma farra, a vizinhança inteira tem que compartilhar. Ele mora numa rua atrás de vários edifícios, incluindo o meu. Devem ser cerca de 150 apartamentos (só no meu prédio são 48) incomodados a noite inteira pelo barulho representado não somente pelo som nas alturas, mas também pelos berros dos convidados, que ficam na calçada tentando conversar acima do som ensurdecedor.

Uma noite dessas um outro, chateado provavelmente por um fora da namorada, estacionou um carro na esquina e ligou o equipamento de som que tocou durante duas horas a mesma música, onde ele pedia insistentemente à amada para voltar.

No meu prédio, no sábado e domingo, as famílias descem à piscina com suas crianças, ou são os adolescentes que encontram suas turmas, com a presença indispensável do famigerado equipamento de som.

Todos os 48 apartamentos compartilham as músicas, que sugerem freqüentar o cabaré, mamar nos peitos da cabritinha, pegar na bochechinha e outras amenidades, além de instruções sobre como aumentar o volume do som.

Abaixo, uma amostra de algumas letras: 

"...É hoje que eu chego em casa liso
Eu vou sair com os meus amigos pra raparigar
É hoje que a vaca vai pro brejo
Vou gastar tudo que tenho na mesa de um bar
É hoje que eu pego uma fuleira
Boto em cima da mesa e mando ela dançar
E tiro, tiro a calcinha da boneca
Faço ela de peteca,
Jogo ela pra lá e pra cá...

"... É rapariga, é cabaré, é bagaceira
muita mulher, de terceira qualidade
depois da meia noite eu pego
o que vier...

"... E o no meu carro tem um som que é famoso o pancadão
Quando aumenta o volume o nego sente a pressão
Abre a mala e solta o som pra galera se animar
A moçada se agita e começa a balançar
A mulherada pede pra aumentar
Bota o forró pra remexer
Bota esse som pra abalar
E pra aumentar tem que testar
Teste o grave...
Teste o médio...
E o agudo...
Abre a mala solta o som...

"... Aumenta o som do carro
Prepare o subwoofer
Regule os agudos
Bote o grave pra torar
Corneta tá falando
Tá tudo equalizado...

"...Deixe o motor ligado pra não descarregar
Cheguei, tô na área com 10 litros de whisky
Vem logo juntando uma carrada de mulher
Aumenta o som do grave pra sentir a bateria
No som do meu batera eu vou dizer como é que é...


SÃO JOÃO DO CARIR-PB


UM MUNDO CHEIO DE SOM E FÚRIA

Uma coisa curiosa, para a qual o jornalista Rubens Nóbrega também chama atenção é que, se os barulhentos estiverem bebendo e fazendo confusão (e eles sempre estão) deixa de ser assunto da Secretaria do Meio Ambiente e passa a ser da alçada da Polícia que nunca pode vir atender esse tipos de ocorrência porque há coisas mais graves acontecendo na cidade.

Aí eu fico assim pensando: se eu comprar uma arma e atirar num barulhento desses aqui da janela do meu prédio, vira um crime, não é? E a polícia vem atender, não é?

Talvez seja uma boa idéia... Não, não! Não estou pensando em atirar, não, mas em telefonar dizendo que perdi a paciência e atirei, que estou muito nervosa e que tem um morto na calçada...

Talvez assim eles venham.


JOÃO PESSOA-PB


ESQUISITICES DE ESCRITORES

Goethe escrevia em pé. Ele mantinha em sua casa uma escrivaninha alta. Hemingway também colocava a máquina de escrever numa prateleira da estante.

Pedro Nava aparafusava os móveis de sua casa a fim que ninguém os tirasse do lugar.

Nilo Tavares (meu pai) colava os pés da mesa no chão com Araldite, pelo mesmo motivo.

Gilberto Freyre não sabia ligar sequer uma televisão. Todas as obras foram escritas a bico-de-pena, como o mais extenso de seus livros, Ordem e Progresso, de 703 páginas.

Aluísio de Azevedo, antes de escrever seus romances, desenhava e pintava, sobre papelão, as personagens principais, mantendo-as em sua mesa de trabalho, enquanto escrevia.

Carlos Drummond de Andrade imitava com perfeição a assinatura dos outros. Falsificou a do chefe durante anos para lhe poupar trabalho. Ninguém nunca notou.

Érico Veríssimo era quase tão taciturno quanto o filho Luís Fernando, também escritor. Numa viagem de trem a Cruz Alta, Érico fez uma pergunta que o filho respondeu quatro horas depois, quando chegavam à estação final.

Monteiro Lobato adorava café com farinha de milho, rapadura e içá torrado (a bolinha traseira da formiga tanajura), além de Biotônico Fontoura. "Para ele, era licor", diverte-se Joyce, a neta do escritor.

Manuel Bandeira sempre se gabou de um encontro com Machado de Assis, aos dez anos, numa viagem de trem. Puxou conversa: "O senhor gosta de Camões?" Bandeira recitou uma oitava de Os Lusíadas que o mestre não lembrava. Na velhice, confessou: era mentira. Tinha inventado a história para impressionar os amigos.

Mário de Andrade provocava ciúmes no antropólogo Lévi-Strauss porque era muito amigo da mulher dele, Dina. Só depois da morte de Mário, o francês descobriu que se preocupava em vão. O escritor era homossexual.

Jorge Amado para autorizar a adaptação de Gabriela para a tevê, impôs que o papel principal fosse dado a Sônia Braga. "Por quê?", perguntavam os jornalistas, Jorge respondeu: "O motivo é simples: nós somos amantes." Ficou todo mundo de boca aberta. O clima ficou mais pesado quando Sônia apareceu. Mas ele se levantou e, muito formal disse: "Muito prazer, encantado." Era piada. Os dois nem se conheciam até então.
 
Achei isso em  http://br.geocities.com/dariognjr69/resumo/curiosidades.html


MONTEIRO-PB


FESTIVAL DO SOL

Tudo pronto para o maior evento do rock independente realizado em Natal. No próximo final de semana, sexta, sábado e domingo, ou seja, 3 4 e 5 de agosto.

Recomendo o show do Matanza.

Veja quem vem em http://www.festivaldosol.com/


PATOS-PB


EXPLICAÇÕES

"O descaso com Congonhas é porque temos um presidente que sempre esteve muito ocupado em Vira-Copos."

Outra:

"Finalmente chegaram a uma conclusão sobre o acidente da TAM. Foi falha humana de 60 milhões de eleitores".

Foi o que li na Internet.


JOÃO PESSOA-PB


SENTAR NO FUNDO DO AVIÃO É MAIS SEGURO?

Ao sentar-se no fundo do avião você tem que agüentar o barulho, o banheiro e lembrar que será o último passageiro a sair da aeronave. Mas se você sentar nas últimas fileiras, você está mais seguro em caso de acidente?

Algumas pessoas afirmam que a traseira do avião é o lugar mais seguro porque os aviões tendem a bater o nariz primeiro. Outros dizem que a seção da asa é melhor, argumentando que seria mais estável estruturalmente.

Qualquer que seja a razão, a afirmação de que uma seção do avião seria mais segura que outra não é apoiada pelos fatos, diz Todd Curtis, um especialista em segurança aérea. Cada acidente é diferente, com muitas variáveis, portanto é impossível afirmar que um assento seja mais seguro que o outro.

Outro problema é que a maioria dos países não possuem agências para investigar cada acidente. E até com informações detalhadas como mapas de assentos é difícil determinar se o passageiro estava sentado ou de pé no momento do impacto.

Mas você ainda pode aumentar suas chances. A maioria dos acidentes ocorre quando os aviões estão descendo (aproximadamente 60%), ou quando eles estão levantando vôo e subindo (35%), portanto é melhor utilizar vôos sem escalas ou conexões, pois reduz a exposição a estes estágios do vôo mais susceptíveis a acidentes.

Aviões maiores também são mais seguros em parte porque eles são sujeitos a regulamentações mais severas e também porque eles tem mais estrutura para absorver energia durante o impacto.

CONCLUSÃO

Não há evidências de que a traseira de um avião seja mais segura do que sentar nos primeiros assentos.

Li esse negócio em http://groups.tecnocientista.info/capa.asp


AFOGADOS DA INGAZEIRA


A MORTE DO SENADOR

Um senador morre e ao chegar no Céu, São Pedro diz que tem ordens superiores e que vai dar a ele o direito de escolher entre o Céu e o Inferno. Então, ele é encaminhado para o reino das trevas e , ao abrir-se a porta, vê um espetacular campo de golfe, tendo ao fundo o clube onde estão todos os seus amigos e outros políticos com os quais havia trabalhado, todos muito felizes, em traje social. Passam horas se divertindo, bebendo e lembrando os bons tempos em que ficaram ricos às custas do povo.

Eles se divertem tanto que, antes que ele perceba, já é hora de ir embora e visitar o Paraíso para poder escolher entre ambos.

No Paraíso, o senador passa vinte e quatro horas junto a um grupo de almas contentes que andam de nuvem em nuvem, tocando harpas e cantando.

Na hora da escolha, ele nem vacila: escolhe o Inferno.

Ao voltar para lá, ele se vê no meio de um enorme terreno baldio cheio de lixo. Não há bebida, todo mundo está rasgadas e sujo, há moscas, ratos, uma fedentina e ele começa a sentir fome. O diabo vai ao seu encontro e pergunta se há algum problema.

- Não estou entendendo, - diz o senador. - Ontem mesmo eu estive aqui e havia um campo de golfe, um clube, lagosta, caviar, e nós dançamos e nos divertimos o tempo todo. Agora só vejo esse fim de mundo cheio de lixo e meus amigos arrasados!

O diabo explica:

- Ontem estávamos em campanha. Agora, já conseguimos o seu voto.


PESQUEIRA


A CAETANA LEVOU BERGMAN

Morre, aos 89 anos, Ingmar Bergman, autor de tantas obras magistrais e fundamentais para o cinema.

Há tempos que não vejo um filme dele, mas o que mais gosto é A Fonte da Donzela.

É bonito, ter uma vida onde se construiu uma obra assim.


GOIÁS VELHO


ANACORETA URBANA

Sou eu nesses últimos dias. Vendo a cidade de longe, e pela TV. Tenho saído pouco, enfronhada nos meus escritos genealógicos.

Mas eu gosto!


NATAL-RN


VESTIDO DE GALINHA

Um homem foi condenado a se vestir de galinha e sair na rua fazendo propaganda contra um famoso bordel americano.

Daniel Chapdelaine foi um de três réus condenados pelo juiz Michael Cicconetti por abordar prostitutas na rua, o que é ilegal no Estado de Ohio. A fantasia incluiu um cartaz que dizia que não se aceita "galinheiro" na cidade, numa referência a um bordel famoso no país, no Estado de Nevada, e que é conhecido como "Granja".

Esta não é a primeira sentença pouco convencional de Cicconetti. Uma mulher que abandonou gatinhos foi obrigada a passar a noite sozinha numa mata sem água e sem comida, e um homem que chamou um policial de porco teve que ficar de pé em uma esquina ao lado de um porco, segurando um cartaz que dizia: "Este não é um policial."

http://noticias.uol.com.br/bbc/reporter/2007/07/30/ult4909u391.jhtm


JOÃO PESSOA-PB



PORTA-RETRATOS

CLOTILDE PEREIRA TAVARES (1886-1979), minha avó paterna. Nascida em Maceió, veio com a família para Recife em 1918. Teve 11 filhos, e toda a vida dedicou-se ao lar. Mesmo assim, lia, fazia versos, tocava violão, discutia sobre temas atuais e gostava de futebol. Exímia crocheteira, com ela aprendi a arte. Na foto, está com 25 anos.


ESTOU...

... OUVINDO mal, escutando pior e entendendo menos ainda.
... LENDO Sobrados e Mocambos, de Gilberto Freyre; e História Universal da Angústia, de W.J.Solha.
... ARRUMANDO as malas para viajar neste sábado.
... ESCOLHENDO livros nas estantes para trocar no sebo de Ronaldo.

... PULANDO cada fogueira!
... ESCREVENDO a saga dos Theotonios - tarefa que parece ser maior do que eu.
... REAVALIANDO conceitos e percepções.
... SABENDO de cada coisa!
... VIVENDO um momento muito especial na minha vida, nesse reencontro com as origens.


LINK PARA OS BOLETINS E CRÔNICAS ANTERIORES

www.umaseoutras.com.br


E POR HOJE...
... é só!


A QUEM INTERESSAR POSSA

 O Umas & Outras é um informativo mais ou menos semanal enviado para cerca de 800 assinantes, principalmente do Rio Grande do Norte e Paraíba, mas que atinge também pessoas em outras cidades e outros países, como Estados Unidos, Inglaterra, França, Espanha e Portugal.

Surgiu em novembro de 1999 e de lá para cá teve algumas interrupções, motivadas sempre por aperto na agenda da professora Clotilde Tavares, escriba deste saltitante boletim. Por isso a sua periodicidade sofre eventuais atropelos, que consideramos inerentes a um periódico independente, gratuito e anárquico como este.

Se não quiser receber mais o Boletim escreva, que lhe tiro da lista e a amizade continua a mesma. 


Clotilde Tavares
João Pessoa - PB 
[email protected]